Site brasileiro onde você pode comprar qualidade e entrega viagra preço cialis barato em todo o mundo.

Microsoft word - p5.doc

CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX PROJETO DE PESQUISA
EDUCAÇÃO EM SAÚDE, COM ENFOQUE EM PARASITOSES
INTESTINAIS, ENTRE CRIANÇAS ASSISTIDAS PELA FUNDAÇÃO
METODISTA DE AÇÃO SOCIAL E CULTURAL DE BELO HORIZONTE

PROFESSORES : Dra. MARIA ESTHER MACÊDO
12 horas semanais

MSc. KAREN LISSA GOODWIN PAGLIA
8 horas semanais

BELO HORIZONTE –MG
SUMÁRIO

Treinamento e capacitação da equipe de colaboradores Orientação de alunos e pais e/ou responsáveis Coleta de amostra fecal e diagnóstico parasitológico de fezes Caracterização epidemiológica da população Tratamento e acompanhamento dos indivíduos parasitados PROJETO DE PESQUISA
CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS
CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX
1 - TÍTULO:
EDUCAÇÃO EM SAÚDE, COM ENFOQUE EM PARASITOSES INTESTINAIS, ENTRE
CRIANÇAS ASSISTIDAS PELA FUNDAÇÃO METODISTA DE AÇÃO SOCIAL E CULTURAL
DE BELO HORIZONTE

2 - RESPONSÁVEIS:
COORDENADOR:
Professor: Dra. Maria Esther Macedo - 3222- 74 07- 99837264
MSc. Karen Lissa Goodwin Paglia – 3313-8014 - 88093796
3 - INTRODUÇÃO:

Reinventaram-se os degraus, certo dia. Era a época das luzes, e os homens podiam subir a escada da ciência novamente rumo ao desconhecido. Construiu-se uma sociedade que buscava cada vez chegar mais alto, e se possível mais rápido. Aviões e foguetes surgiram, a fim de acompanhar a rapidez dos nossos sonhos. Dentro deles iam cirurgias, medicamentos futuristas, tomografias e transplantes. O conhecimento, que sempre fora pouco para o homem já não cabia em si, e rodava o mundo pela Internet. Marcapassos e hemodiálises substituíam funções vitais. Ao mesmo tempo, um grande contraste pois um bilhão de pessoas são infectadas por Ascaris lumbricoides, 90 milhões por Trypanosoma cruzi, 200 milhões por Schistosoma mansoni, um milhão por Plasmodium sp., 80 milhões por Taenia sp., e há inclusive a morte de 100.000 pessoas por ano, decorrente das complicações da infecção por Entamoeba histolytica (Neves, 2000). Tal despropósito, fruto do completo descaso ao próximo, advém não só de um problema da saúde, mas de uma deficiência muito mais profunda, a deturpação da dignidade humana. A morte é um fator último, conseqüência de um descaso inimaginável. Estas observações, embora sejam de notório saber, parecem não merecer maiores atenções, provavelmente porque, a maioria das enteroparasitoses, não se caracteriza por grande mortalidade, mas sim por constante morbidade (Negheme et al, 1982, Ävila-Pires, 1983). Do ponto de vista social, as helmintoses e protozooses intestinais representam um grave problema de saúde pública. Essas são responsáveis pela diminuição da qualidade de vida da população causando grandes perdas econômicas, diminuição de sua produtividade, prejuízo da função de alguns órgãos vitais, contribuindo para o aumento da desnutrição (Neghnem, 1980; Silva, 1987; Neves, 2000). Pensando-se em níveis monetários, que é como tudo é mensurado atualmente, as doenças parasitárias levam a um prejuízo estratosférico no PIB anual, uma vez que são responsáveis por aposentadorias precoces, faltas no trabalho, gastos com medicamentos, consultas e internações. Interessante é perceber que sua prevenção e controle seriam relativamente simples, não estivessem aliadas à conscientização da população. Muitas medidas a serem tomadas não requerem mais que os níveis mínimos de infra-estrutura preconizados pela ONU, como esgoto, água potável, alimentos cultivados com higiene (OMS 1984). Entretanto, quando realizado, o controle das enteroparasitoses limita-se freqüentemente à implantação de medidas isoladas, as quais, não são suficientes para barrar a sua transmissão ( Muniz, 1992). As infecções mais comuns causadas pelas espécies Ascaris lumbricoides, Ancylostoma duodenale, Necator americanus, Schistosoma mansoni, Strongyloides stercoralis, Trichuris trichiura e Enterobius vermicularis, Taenia solium, Taenia saginata, Hymenolepis diminuta estão associadas a fatores sociais, econômicos, ambientais e culturais que proporcionam condições favoráveis à disseminação (Ávila-Pires 1983). Deste modo as conseqüências originadas pela expansão desordenada de áreas povoadas, com intensa multiplicação de moradias, muitas vezes desprovidas de mínimas condições de saneamento básico; o baixo poder econômico e menor nível de informação associados aos hábitos pouco higiênicos de parte da população, são relevantes e merecem destaque nos estudos das parasitoses intestinais humanas (Leser, 1975). As precárias condições ambientais, decorrentes da insalubridade das habitações coletivas, foram mencionadas por Avila-Pires (1983) como potencialmente favoráveis para o aumento da prevalência de verminoses, e algumas vezes, até contribuir para maior intensidade de transmissão, inclusive em áreas beneficiadas pelo saneamento ambiental. Alia-se a isso, condições climáticas do país, favoráveis ao desenvolvimento e sobrevivência das formas de vida livre de parasitos, e ainda a água, que pode funcionar como veiculador de ovos de helmintos. Considerando a indisponibilidade de água potável para toda a população, a utilização de medidas alternativas de abastecimento doméstico tais como a utilização da água de consumo provenientes de cisternas, minas, rios e lagos, torna-se necessário a implantação de programas de educação em saúde visando a conscientização das comunidades que delas fazem uso, a fim de reduzir os possíveis riscos de infecção por enteroparasitos. Marzochi (1982), verificou a contaminação de hortas e córregos, com ovos de helmintos e cistos de protozoários, na cidade de Ribeirão Preto. Deve ser mencionado ainda que a água serve como criadouro para hospedeiros intermediários de alguns helmintos (Rey, 1992). No Brasil, a estimativa de parasitismo humano, por helmintos intestinais, foi referido por Pessoa (1967) que, utilizando os resultados obtidos do levantamento helmintológico realizado por Pellon & Teixeira (1950), mencionou que em uma população de 70 milhões de habitantes, 65 milhões destes eram positivos, dos quais 50 milhões albergavam A. lumbricoides, 30 milhões T. trichiura, 25 milhões Ancilostomideos e 10 milhões apresentavam infecções isoladas ou mistas por E. vermicularis, S. stercoralis e Cestodas. A extinta SUCAM em 1976, em um milhão de exames coprológicos mostrou a prevalência geral para ascaridíase de 36,7%. Na Amazônia, as taxas foram superiores a 60%, enquanto no Nordeste oscilaram entre 33 e 50% (Rey, 1992). Waib et al (1955) em inquérito sobre a incidência de enterobiose em 7415 crianças na faixa etária de 3 a 17 anos em 11 grupos escolares de Ribeirão Preto foi de 50,6% (3753 casos positivos entre 7415 examinados), empregando-se um único exame. Vinhas & Martins (1967) citaram que, em 1965, de 552.729 exames de fezes realizados no Estado do Rio de Janeiro, o que correspondia a 13,5% da população, apresentaram-se 134.253 casos para ancilostomídeos (24,2%). Carvalho (1970) afirmou que a ancilostomíase ocupa o primeiro lugar entre as enteroparasitoses em Tamoio, encontrando-se 44,5% da população parasitada. Faria (1972) realizou 1537 exames em crianças de escolas públicas na zona urbana de Salvador, e afirmou que os índices foram elevados principalmente em relação a T. trichiura (97,8%) e A. O panorama das infecções parasitárias parece não apresentar grandes mudanças nestes últimos 30 anos tendo-se registrado altos níveis de positividade, principalmente em crianças. Mitsuka et al (1999), em inquérito parasitológico realizado entre escolares de 0 a 14 anos, na cidade de São Jerônimo da Serra, Paraná, verificaram percentuais de 31,8 de ascaridíase, 29 de ancilostomíase e 22,9 de giardíase. Lima et al (1999) analisaram 154 amostras de fezes de alunos de duas escolas rurais no município de Vitória de Santo Antão, em Pernambuco, 63% apresentavam-se parasitados. Destes, 30% eram positivos para ancilostomídeos e 17,5% para Ascaris lumbricoides e Giardia lamblia. Os autores concluíram que, em áreas rurais onde as condições básicas de saneamento e educação são precárias, há necessidade de conscientização das altas freqüências das enteroparasitose e implementação de medidas profiláticas efetivas. A parceria Universidade-comunidade pode ser um meio eficiente para a implantação de medidas integradas de combate às parasitoses intestinais. (Falavigna et al., 1997). Além da implantação de medidas educativas estas parcerias permitem que acadêmicos de vários cursos, principalmente das áreas de saúde e educação se confrontem com as necessidades da população de áreas carentes, o que contribui para uma melhor formação desses, tornando-os profissionais mais conscientes de seu papel na sociedade, que é, acima de tudo, prevenir doenças e promover a saúde. Isso é alcançado através da conscientização da 4- JUSTIFICATIVA:

A implantação de programas de controle de parasitoses intestinais, preconiza o diagnóstico e a caracterização dos quadros epidemiológicos das mesmas. Sendo assim, o presente projeto justifica-se pela caracterização sócio-econômica-cultural da população amostrada associada ao respectivo diagnóstico parasitológico. Uma vez diagnosticada e caracterizada a população, é de grande importância o tratamento, controle e prevenção, através de atividades educacionais que visem a mudança de comportamento daqueles com resultados A parceria Universidade-Comunidade pode atuar na melhoria da qualidade de vida e do meio ambiente em que se insere, orientando suas linhas de pesquisa, ensino e extensão aos menos afortunados, a partir de problemas sociais, com enfoque interdisciplinar, ao invés de abordagens segmentadas do conhecimento. Estas parcerias, além de promover mudanças comportamentais na população trabalhada desperta a consciência crítica e sensibiliza os alunos para os problemas sociais, contribuindo assim para uma formação mais completa, tornando-os agentes transformadores conscientes de seu papel na sociedade. Para a efetivação da multiplisciplinariedade sugerimos a contribuição de outros docentes que 5 – OBJETIVOS
5.1 – OBJETIVO GERAL

Introdução dos alunos do curso de Biologia do Centro Universitário Metodista Izabela
Hendrix na prática científica e educativa tendo como estudo a comunidade assistida pela Fundação Metodista de Ação Social e Cultural de Belo Horizonte. 5.2 – OBJETIVOS ESPECÍFICOS
4.2.1. Delinear e executar metodologias e diagnóstico das condições ambientais e da saúde, além da criação de estratégias de sensibilização para a comunidade, 4.2.2. Consolidar a metodologia de ensino universitário, respaldada na tríade: ensino, 4.2.3. Capacitar alunos treinando-os em metodologias e técnicas aplicadas ao 4.2.4. Colocar em prática os conhecimentos adquiridos nas disciplinas do curso de biologia, sendo este trabalho multidisciplinar. 4.2.5. Realizar o diagnóstico parasitológico em crianças assistidas pela Fundação Metodista de Belo Horizonte, para determinação da freqüência de parasitoses 4.2.6. Estimular o aluno a socialização do saber através da construção do conhecimento junto a comunidade a partir de atividades educativas e preventivas; 4.2.7. Incentivar o compromisso social do biólogo em formação, consolidando seus
6 - HIPÓTESE(S) A SER(EM) TESTADA(S):

Verificar o efeito das atividades educacionais, sobre a freqüência das parasitoses intestinais
em uma população amostrada de crianças assistidas pela Fundação Metodista de Belo
7 - DESCRIÇÃO DO TRABALHO

7.1 DESENVOLVIMENTO

A amostra determinada será das crianças assistidas pela Fundação Metodista de Belo
O projeto será desenvolvido por Professores e Acadêmicos (monitores estagiários e voluntários) do curso de Biologia com a apresentação do projeto e seus objetivos. • Treinamento dos estudantes para execução de palestras. • Reunião com profissionais de ensino da Fundação e pais objetivando uma melhor participação dos mesmos no processo educativo das crianças. • Sensibilização dos alunos e pais para a participação no projeto. • Palestra de atualização do corpo de funcionários da Fundação e discussões informativas para esclarecer dúvidas e ampliar os conhecimentos, principalmente, para despertar a importância das medidas profiláticas e de controle das parasitoses intestinais. • Avaliação do trabalho operacional (método de amostragem, adesão ao projeto, instrumentos de coleta de dados, produtividade no processamento dos exames) • Treinamento laboratorial sob a orientação de professores das disciplinas envolvidas, técnicos e monitores para o diagnóstico parasitológico das fezes. • Aplicação do questionário para caracterização da população amostrada. • Coleta de fezes e diagnóstico parasitológico de fezes. • Análise dos resultados dos exames de fezes e questionários. 7.1.1 Aplicação de questionário:
A inclusão de indivíduos na amostragem deverá ocorrer mediante o preenchimento de um questionário previamente elaborado (modelo em anexo) e a respectiva autorização dos responsáveis pelos alunos, consentindo que os mesmos participem do estudo. O Termo de consentimento livre e esclarecido será acrescido ao projeto caso ele venha ser aprovado pelo Instituto Metodista Izabela Hendrix, devendo o mesmo ser encaminhado ao Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix. 7.1.2 Treinamento e capacitação da equipe de colaboradores:

Os treinamentos serão dimensionados através de técnicas pedagógicas e didáticas
disponíveis e aplicáveis aos objetivos do estudo. Deste modo, aqueles que forem treinados servirão como agentes multiplicadores das ações educacionais, nas salas de aula, na escola, em casa, nas ruas e na comunidade. Estes treinamentos têm por objetivo informar e capacitar os agentes sobre as principais parasitoses intestinais, que podem estar ocorrendo
7.1.3 Orientação de alunos e pais e/ou responsáveis:

Estas orientações também serão conduzidas como no item anterior, objetivando uma
melhor participação dos mesmos no processo educativo das crianças. Cabe ressaltar aqui, que serão programadas palestras e discussões informativas para esclarecer dúvidas e ampliar os conhecimentos, principalmente, para despertar a importância das medidas profiláticas e de controle das parasitoses intestinais. Serão promovidas feiras de saúde, com enfoque em parasitoses intestinais, nas áreas a serem trabalhadas. Estas feiras têm por objetivos motivar a comunidade e sobretudo as crianças para o tema em questão. Para a realização de todas estas atividades deverá ser produzido material didático e específico a ser utilizado nos treinamentos, orientações, palestras e até mesmo nas feiras de saúde. Este material será desenvolvido pelo bolsista e por alunos voluntários participantes do projeto de acordo com a faixa etária das crianças A produção do material didático e/ou brindes didáticos serão confeccionados, utilizando sempre que possível, material reciclável ou recolhido em doações de campanhas promovidas por eles no próprio campus do Centro Universitário (após autorização dos coordenadores), estimulando uma participação ativa em todo o processo. Todas as etapas de orientação, palestras, discussões e feiras de saúde serão totalmente organizadas pelos professores orientadores e bolsistas envolvidos no projeto com o devido acompanhamento dos professores das diversas disciplinas envolvidas, por ser um projeto 7.1.4 Coleta de amostra fecal e diagnóstico parasitológico de fezes:
Para a coleta do material, será utilizado um recipiente plástico com conservante (formol 10%), objetivando a preservação das formas parasitárias. Serão recolhidas no mínimo três amostras em dias alternados por criança. O material coletado deverá ser encaminhado ao laboratório IV do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix. Os exames serão realizados pelos alunos do curso de Ciências Biológicas, sob a orientação do professores. O material será processado e o diagnóstico realizado através da técnica de Ricthie modificada (Silva 1987) e Hoffman Pons & Janer
7.1.5 Caracterização epidemiológica da população:

Após a obtenção e tabulação dos dados do questionário e nos resultados dos exames, os
mesmos serão analisados estatísticamente através do programa estatístico EPINFO. Deste modo, os dados serão tratados epidemiologiamente, de maneira que a população amostrada deverá ser caracterizada dentro dos parâmetros e conceitos epidemiológicos.
7.1.6 Tratamento e acompanhamento dos indivíduos parasitados:
Os indivíduos que apresentarem resultados positivos serão encaminhados para um tratamento específico, juntamente com outros familiares que serão pesquisados e incluídos na amostragem. As amostras após submetidas ao diagnóstico terão os resultados enviados ao Centro de Saúde que assiste a comunidade para tratamento médico específico e acompanhamento dos pacientes, conforme acordo a ser firmado.
8- PREVISÃO DOS RECURSOS MATERIAIS
- Material de consumo conforme orçamento item 10
- Uma sala para reunião e curso de formação para os alunos bolsistas e voluntários - Laboratório IV para realização dos exames parasitológicos de fezes - Armário para o armazenamento do material - Computador com acesso a internet e impressora - Microscópios, lupas e vidrarias para a realização dos exames parasitológicos e as feiras de - Projetor de multimídia de uso esporádico. Todos os materiais supra citados já existem no Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, dependo da liberação prévia por parte da Instituição.
9 – CRONOGRAMA ANUAL:

ATIVIDADES/MESES
02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12
1. Envio do projeto ao CEP X
(condicionado a aprovação)
Cadastro
3 - Elaboração de questionário
preparatório
5 - Aplicação de questionário
6 - Coleta de material e resultados X X X X X
7 - Encaminhamento ao tratamento X
Análise
coletados
Atividades
educativas
X X X X X X X X X
10 - Novos exames de fezes
Publicação
resultados

10 - ORÇAMENTO FINANCEIRO

Quantidade Material Preço
(total) R$
Caixas de lamínulas (com 200 lamïnulas 24x24) Canudos plásticos para refrigerante (Pacotes) Saco plástico transparente (tamanho ofício) Curso preparatório (Referente a 80h/aula)* Alimentação (10 refeições em 6 visitas x R$6,00) Transporte (Combustível ou passagens)** TOTAL 6468,96

* Curso preparatório- O equivalente a 20h/a (R$536,20) do curso teórico será pago
pelos alunos que participarão do mesmo que será oferecido como Curso de extensão,
reduzindo o orçamento final para R$5932,76.

** O transporte poderá ser feito no carro da instituição, caso seja mais barato.
11 - RESULTADOS ESPERADOS:

A expectativas se referem às possíveis mudanças no quadro de freqüência das parasitoses
intestinais, a partir das atividades educacionais implementadas. Além disto, pretende-se tratar e orientar os familiares dos casos positivos. Esperamos contribuir em muito para a melhoria da qualidade de vida das crianças e seus familiares da área de estudo. Em segundo plano, este projeto contribuirá para a implantação efetiva de atividades de pesquisa e extensão junto à comunidade, com ampla participação, inicialmente, dos alunos do curso de Ciências Biológicas com perspectivas de envolvimento de outros cursos e seus respectivos professores. 12 - DURAÇÃO TOTAL DA PESQUISA:

Este trabalho deverá ser realizado no período de Fevereiro/2007 a Dezembro/2007 na área de atuação da Fundação Metodista de Ação Social e Cultural. Neste período deverão ser apresentados os possíveis resultados, mesmo que parciais. Todos os resultados, parasitológicos, bem como os levantamentos sobre saneamento na área estudada, serão utilizados em melhoria das condições ambientais e de saúde da população envolvida e posteriormente submetidos a publicação em revistas ou periódicos científicos. A idéia inicial é de que a cada ano uma nova área assistida pela Fundação Metodista seja atendida pelo projeto. O projeto iniciará a partir da aprovação e liberação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix.
13 - BIBLIOGRAFIA
ADAIR SOBRINHO, T.; COELHO, L.M.; de OLIVEIRA, S.M.; MARTINS, J.T.; RABELO Jr.,
J.A.; de OLIVEIRA, C.R.; de PAULA, M.A.; PERROUD Jr., M.V. & MIYAZAKI, S.M. (1995).
Frequence of intestinal helminth eggs in public restrooms in Sorocaba, SP. Rev. Soc. Bras.
Med. Trop.,
28 (1): 33-37.
AMATO NETO & CORREA, L.L. Descrição das técnicas recomendadas. In: exame
parasitológico das fezes. 10a ed. São Paulo. Sarvier, 1980. Pg. 62
ARAÚJO, M.C.; CARVALHO, J.R.; FIGUEIRA, E.B.; GUEDES, M.S.; PAOLINELLI, L.M.V.;
DEL RIO, B.R.; MELO, G.C. & MARQUES, R.N. (1986). Levantamento parasitológico de
esquistossomose mansoni em escolares da rede municipal de Belo Horizonte. Secretaria
Municipal de Saúde. In: 22º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
Belo Horizonte, MG. Resumo 118. p. 63-64.
ÁVILA –PIRES,F. Princípios de Ecologia Humana. Porto Alegre, UFRGS/CNPq, 1983.158 p.
BRASIL Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde 2002. A promoção da saúde
no contexto escolar. Revista Saúde Pública, 36 (4): 533-535, 2002.

BERNARDES, H.M.S.; MARÇAL JUNIOR, O. Helmintíases intestinais na região de Olhos
d’água, município de Uberlândia (MG). (2001) Biosci. J., 17 (2): 143-157.
CARVALHO, J.P.P. Contribuição para estudo epidemiológico das enteroparasitose em
Tamoio. Rev. Bras. Pesq. Med. Biol. 5:65, 1970.
CHIEFFE, P.P.; MORETTI, I.G. ; FOEZER, A.C.M. ; NAKAGAWA, E. & GOMES, A. C.
Contribuição ao estudo da história natural das enteroparasitoses em uma comunidade
fechada. II. Mecanismo de transmissão de enteroparasitas em uma comunidade fechada.
Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 8 (2) : 87- 91, 1973.
COSTA-CRUZ, J.M.; CARDOSO, M.L. & MARQUES, D.E. (1995). Intestinal paras
ites in school food handlers in the city of Uberlândia, Minas Gerais, Brazil. Rev. Inst. Med.
Trop. Sao Paulo
, 37 (3): 191-196.
EVANGELISTA, A.; KOMMA, M.D. & SANTOS, M.A.Q. Prevalência de parasitos intestinais
em Goiânia. Rev. Pat. Trop. 1 (1) : 51-61, 1972.
FALAVIGNA, D. L. M. & cols., Parceria universidade-comunidade no diagnóstico e controle
de parasitoses intestinais. Revista UNIMAR 19(2):649-659, 1997.
FARIA, J.A.S., Prevalência de helmintos em escolares de 7-14 anos na cidade de Salvador.
Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 6 (5) : 261- 264, 1972.
FERREIRA, C. B. & MARÇAL. O. JR., Enteroparasitoses em escolares do distrito de
Martinésia, Uberlândia, MG: um estudo-piloto. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 30(5):373-377,
set-out, 1997.
FERREIRA, C.S.; FERREIRA, M.U. & NOGUEIRA, M.R. (1994). The prevalence of infection
by intestinal parasites in an urban slum in Sao Paulo, Brazil. J. Trop. Med. Hyg, 97(2):
121-127.
KOBAYASHI, J.; HASEGAWA, H., FORLI, A.A.; NISHIMURA, N.F.; YAMANAKA, A.
SHIMABUKURO, T. & SATO, Y. (1995). Prevalence of intestinal parasitic infection in five
farms in Holambra, Sao Paulo, Brazil. Rev. Inst. Med. Trop. São Paulo, 37 (1): 13-18.
LESER, W. Crescimento da população do Estado de São Paulo, entre 1950 e 1970,e seu
reflexo nas condições de saúde pública. Ciênc. Cult ,27( 3):244-256,1975.
LUDWIG, K.M.; FREI, F.; FILHO, F.A.; RIBEIRO-PAES, J.T. (1999) Correlação entre
condições de saneamento básico e parasitoses intestinais na população de Assis, estado de
São Paulo. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., 32: 547-555.
MACHADO, C.M.; MARCARI, E.L.; CRISTANTE, S.F.V.; CARARETO, C.M.A. (1999).
Giardíase e helmintíase em crianças de 1o e 2o graus (públicas e privadas) da cidade de
Mirassol (SP, Brasil). Rev. Soc. Bras. Med. Trop., 32 (6): 697-704.
MACHADO, M.T.; MACHADO, T.M.; YOSHIKAE, R.M.; SCHMIDT, A.L.; FARIA, R. de C.;
PASCHOALOTTI, M.A.; BARATA, R. de C. & CHIEFFI, P.P. (1996). Ascariasis in the
subdistrict of Cavacos, municipality of Alterosa (MG), Brazil: effect of mass tretment with
albendazole on the intensity of infection. Rev. Inst. Med. Trop. São Paulo, 38 (4): 265-271.
MARZOCHI, M.C.A. & CHIEFFI, P.P. Estudos dos fatores envolvidos na disseminação dos
enteroparasitas. IV. Distribuição do Necator americanus e do Ancylostoma duodenale na
população periurbana e rural do município de Londrina, Paraná. Rev. Inst. Med. Trop.
São Paulo
20(1) : 36-40, 1978.

MARZOCHI, M.C.A. Estudos dos fatores envolvidos na disseminação dos enteroparasitas II.
Estudos da contaminação das verduras e solos de hortas na cidade de Ribeirão Preto, São
Paulo. Rev. Inst. Med. Trop. São Paulo, 19(3): 148-55, 1977.
NEGHEM,A R & SILVA, R. C. Ecologia del parasitismo en el hombre. Bol of. Sanit.
Panam
., 70 ( 4) :313-323, 1971.
NEVES, D. P, MELO, A. L., GENARO, O. & LINARDI, P. M. Parasitologia médica. 10 ª ed.
São Paulo: Editora Atheneu, 2000.
ORGANISATION MONDIALE DE SANTÉ, Genevre. Helminthes Transmis par le sol. Genevre,
1964.66p.
PELLON B & TEIXEIRA,I Distribuição geográfica da esquistossomose mansônica no Brasil
.Rio de Janeiro Departamento nacional de Saúde, 1950. 31p.
PESSOA , S.B. Generalidades dos helmintos ou vermes. Importância dos helmintoses no
Brasil. Conceito de portador são- biologia geral dos helmintos parasitas. In Parasitologia
Médica
. 7 ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1976. Cap.31.p.373-377.
REY, Luís. Parasitologia. 2a. ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan, 1991.
SILVA A V. M. Ocorrência de Helmintos Intestinais em Crianças Matriculadas em Creches
Particular, Mista e filantr6opica no Município de Belo Horizonte. Belo Horizonte Tese 1987,
125P.
VINHA C. & MARTINS M.R.S. Ancilostomose no estado do Rio de Janeiro. Rev. Bras.
Malario. Doenças Trop
.,19(4) :539-570,1967.
WAIBB,S. MARTINELLI, C. FILHO, F.F MARTINS, CAL Inquérito sobre a incidência de
Enterobiose em escolares de Ribeirão Preto . Folia Clin. Biol., 23:63-80,1955

EDUCAÇÃO EM SAÚDE, COM ENFOQUE EM PARASITOSES INTESTINAIS, ENTRE CRIANÇAS
ASSISTIDAS PELA FUNDAÇÃO METODISTA EM BELO HORIZONTE
I. IDENTIFICAÇÃO
1. Nome do participante: ________________________________________________ 2. Endereço residência:_________________________________________________ 3. Nome da escola/creche_______________________________________________ 4. Data da entrevista: _____/_____/_____ II. DADOS PESSOAIS
5. Data de nascimento _____/_____/______ 8. Grupo étnico ( cor )
1. Branco 2. Pardo 3. Negro
III. SOBRE A FAMÍLIA
10a. Profissão do pai____________________________________________________ 10b. Profissão da mãe___________________________________________________ 2. 1º grau incompleto 5. 2º grau completo 0. NS 1. Até um salário mínimo 4. Mais que 7 salários IV.CARACTERÍSTICAS DO DOMICÍLIO
14.Número de cômodos utilizados para dormir: _______ 15. Numero de pessoas por cômodo para dormir:______ 16. Uso e escoadouro da instalação sanitária 1. Rede pública 4. Outros ___________________ V. HÁBITOS ALIMENTARES E DE HIGIENE
20. As frutas e verduras consumidas tem algum preparo especial? 3. Lavadas (água + vinagre/água sanitária) 22. Costuma lavar as mãos antes de comer? 23. Costuma lavar as mãos depois de ir ao banheiro? 27. Entrevistador: _____________________________

Source: http://www.metodistademinas.edu.br/proreitoriaacademica/pesquisa/p5.pdf

Iap respiratory chapter.doc

lAP Respiratory Chapter SECTION 1 DIAGNOSIS Step 1 - Qualifying some terms Recurrent: The adjective 'recurrent' is essential to the clinical definition of asthma. More than three episodes of airflow obstruction are considered significant by several widely followed guidelines. Cough variant asthma: Recurrent isolated cough of unclear etiology may be a sole and distress

hausarzt-bw.de

Übersicht ausgeschriebener Rabattverträge der AOK Baden-Württemberg zu patentfreien Wirkstoffen Stand: 01.06.2013 Wirkstoff(e) Anwendungsgebiet (Auszug) Vertragspartner Laufzeit Zuzahlungsverzicht Acarbose Diabetes Mellitus 06/2013 - 05/2015 HzV; Facharzt-Vert. (§ 73 c SGB V) Aciclovir Virale Infektionen (Herpes) 10/2012 - 09/2014 HzV; Facharzt-Vert. (§ 73 c SGB

Copyright © 2010-2014 Articles Finder