Site brasileiro onde você pode comprar qualidade e entrega viagra preço cialis barato em todo o mundo.

Artigo dermatologia parte ii.pmd

DIAGNÓSTICO
DIFERENCIAL DAS
PRINCIPAIS

PARTE II - ATOPIA:
DIAGNÓSTICO E
1. Introdução
ESTRATÉGIAS
lulas de Langerhans, os quais são captu- TERAPÊUTICAS.
linfócitos T alérgeno-especificos. Há uma antígenos ambientais (ácros de poeira do- conseqüente expansão preferencial de cé- ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ lulas T “helper” 2 culminando em produ- ção aumentada de IgE pelos linfócitos B20.
sófilos através dos receptores específi- cos. A exposição subseqüente ao alerge- IgE e IgG alérgeno-específico20,21.
Escocês, Lhasa Apso, Fox Terrier de pêlo duro, Dálmata, Pug, Setter Irlandes, Gol- moléculas de IgE induzindo degranulação e liberação ou produção de mediadores Inglês, Boxer, Setter Inglês, Akita e Sch- que produzem reações alérgicas-histami- ainda não são totalmente definidos, po- mais de 70% dos animais atópicos os sin- cetíveis à sensibilização primária durante 2. Patogenia
neo) e antígenos ambientais; Sensibiliza- disso, as doenças parasitárias podem au- atópica é a pele onde o IgE e o IgGd fi- maior ativação de linfócitos T; Reação mastócitos – IgE e liberação de mediado- leucinas. Esta complexa interação resulta tão resultando em eritema e prurido, le- uma lista de sinais e sintomas para o di- 4. Controle da dermatite atópica
vando a escoriações e maior exposição a agnóstico de dermatite atópica, conside- térias e leveduras, finalmente oferecendo processos secundários de disqueratiniza- três características secundárias ou me- ção, malasseziose e foliculites bacteria- nas, levando a um controle difícil da sin- 3.1 Diagnóstico diferencial
co veterinário na proposta de tratamento à atopia. Essas doenças são dermatite alér- multifatorial e consiste na combinação das 3. Diagnóstico
hipersensibilidade alimentar (HA), pioder- 1. Reduzir a exposição antigênica.
A localização anatômica das lesões po- matite superficial, sarna sarcóptica, der- matite por malassezia, demodicidose, hi- persensibilidade a parasitas intestinais, 3. Reforçar a barreira epidérmica.
diagnóstico continua sendo a exclusão das (S.intermedius e M. pachydermatis).
3.2 Doenças paralelas
7. Modificar a resposta imunitária.
“.deve ser enfatizado que os testes la- 4.1 Reduzir a exposição antigênica
me físico e a completa eliminação dos de- cães atópicos além da seborréia que pode aceitação do proprietário em entender o cificidade dos testes in vitro, eles não se destacar que entre as possibilidades de consideradas no diagnóstico diferencial, que o diagnóstico clínico seja obtido, mas os animais aos vegetais, e à regiões mais deve ser ressaltado que tais métodos so- almofadas, colchões, cobertores e outros dicação dos parasitas e da realização de maneira precisa da dieta de eliminação, ou seja após o afastamento dos diagnós- lite bacteriana. O clínico veterinário deve trole da doença. Aspiradores com filtros ticos de dermatite alérgica à picadas de anti-ácaros, desumidificadores em locais ectoparasitas e de alergia alimentar.
de estocagem e aplicação de desinfetan- Em 1998 Preláud (quadro 1) propôs
tes parasiticidas podem colaborar na re-dução da pressão alergênica5,8,10.
QUADRO 1: Sintomas maiores e menores no paciente atópico,
segundo Preláud, 199810.
4.2 Prevenir estimulação do sistema
imune (controle de parasitas)

CARACTERISTÍCAS
- Eritema bilateral interdigital dos membros torácicos.
PRINCIPAIS
- Surgimento do quadro entre 6 meses e 3 anos de idade.
mais rigoroso no animal atópico, pois este - Eritema de face interna de orelha ou perilabial.
cão não pode sequer receber a picada do - Eritema perianal.
- Dermatites recorrentes por mais de 2 anos.
parasita, portanto parasiticidas que evi- tem as picadas devem ser preferidos e afreqüência de aplicação deve ser maior CARACTERISTÍCAS
- Histórico familiar de dermatopatia alérgica.
do que a indicada pelo fabricante na opi- SECUNDÁRIAS
- Piora ao contactar vegetais.
nião do autor. deve-se destacar que o cão - Crises de urticária ou angioedema.
atópico toma mais banhos levando a reti- - Hiperidrose.
- Lignificação da prega tibio-társica, ou da região cranial 4.3 Reforçar a barreira epidérmica
tem sido utilizado em empresas de ração,na tentativa de minimizar a perda transe-pidermica de água e conseqüente resse- Figura 1: Cadela, Shih Tzu,
camento e quebra da barreira cutânea.
de 5 anos de idade com
hiperpigmentação e
lignificação em quadro de
Atopia, com malasseziose
teção da pele, como: ácido pantoténico, secundária.
inositol, nicotinamida, colina, histadina,além de níveis diferenciados de ômegas3 e 6 e ervas como a curcumina e aloevera. O clínico deve entender que nãoserá possível eliminar os sintomas da ato-pia apenas com o uso de dietas apropria- das, sendo estas, mais uma “arma” nocontrole da doença5,8,10.
4.4 Controlar infecções secundárias
(S. intermedius e M. pachydermatis
)
Figura 2: mesma cadela da
figura 1, após 9 meses de
apresentam com quadros de infecções se- controle do quadro, utilizando
cundárias. Nesta condição o exame cito- doses baixas de corticóide
(0,5mg de prednisolona a cada
lógico definirá a importância destas pro- 6 dias), banhos freqüentes,
liferações bacteriana e fúngica. Atualmen- controle parasitário e redução
te os superantígenos (antígenos que pro- da exposição antigênica.
vocam grande resposta imune) decorren-tes da proliferação de S. intermedius e M.
pachydermatis
têm sido estudados e res- dros de atopia. Assim, o clínico deverátratar estas infecções todas as vezes que 4.6 Reduzir inflamação
grande risco dos efeitos colaterais, o clí- é possível ou quando não é eficaz na re- que solicitam “aquela injeção para evitar dução dos sintomas da doença, utilizam- a coceira” já estão desaparecendo e co- 4.5 Higienizar e hidratar a pele
veterinários, entretanto, é utilizar drogas dratada e pouco agredida, portanto a pre- máxima eficácia e mínimo custo e efei- esta propriedade e que não alterem o mi- tos colaterais.11,12 Conseqüentemente não nisolona devem ser utilizadas por via oral há um protocolo rígido de terapia sistê- mica, o clínico deverá personalizar o tra- xampus com aveia coloidal, glicerina, aloe vera, alantoína podem ser utilizados com tativa e evitar efeitos colaterais muito gra- grande freqüência (duas vezes por sema- administrações a cada 48 horas. Posteri- ormente o clínico deverá a cada 15 dias ram as característica da pele, podem ser pica são os glicocorticóides, que são efi- até que obtenha o maior intervalo possí- adversas como poliúria, polifagia, polidip- sia, alopecia, obesidade, pancreatite, úl- ca e clorexidine (em concentrações mai- ceras gastrointestinais, diabetes e hipera- drenocorticismo, além de predispor à in- sitarão de tratamento ad eternum, e estes boratoriais (hemograma, urinálise, função tes dos efeitos secundários destas molé- hepática e renal, glicemia, triglicérides e e se o paciente não estiver utilizando ou- alterações precoces e descontinuar a te- tro tipo de corticóide (tópico ou sistêmi- da o uso de corticóides injetáveis de efei- rapia em caso de mudanças importantes.
Vale lembrar que o cliente deve ser orien- histamina pelos basófilos, reduz a ativi- inibidores de leucotrienos ainda pouco uti- lizados. Na opinião do autor estes fárma- voca poucos efeitos colaterais1,4,7,17.
cos são de pouca valia no tratamento des- ções de prurido e vasodilatação. Geral- 4.7 Modificar a resposta imunitária -
mente um paciente atópico não fica esta- imunoterapia
dose diária, quer pelo aumento do inter- identificados (este é o real papel dos tes- valo de administração até se conseguir a tes alérgicos in vitro ou intradérmicos) nores doses de corticóides. Outra vanta- com precisão e se o proprietário estiver mento1,2,3,6,7,9,13,14,15,16,17,18,19,22.
não provoca graves efeitos colaterais, ofe- des, a ciclosporina não causa efeitos me- ser uma boa opção. A imunoterapia espe- cífica consiste na administração de do- bolismo protéico, pode ser usada por lon- associação de ácidos graxos essenciais.
síndrome de Cushing e diabetes. Os efei- (revelados pelos testes e passíveis de er- Os mais utilizados em caninos são a cle- digestiva (êmese, diarréia), porém alguns bloqueadoras ou desvio da reação Th2.
hiperplasia gengival; papilomatose oral e hirsutismo. Há ainda a preocupação com resposta boa à excelente. A dessensibili- efeitos colaterais, este tipo de tratamento lesões renais decorrentes de hipertensão zação é geralmente aceita como um tra- deverá ser evitado apenas em animais com glaucoma ou com motilidade intestinal re- Frente à baixa eficácia dos anti-hista- ção da pressão periodicamente. O maior nove meses ou mais de injeções antes da diminuição dos sinais e sintomas clínicos.
plicações dos corticóides, freqüentemente novas drogas são propostas para o trata- que usuários crônicos de corticóides pas- sarão a usuários crônicos de ciclospori- à terapia e outros podem ter como resul- tado final a possibilidade de diminuição que o custo do fármaco permitir5,10.
do uso dos fármacos já utilizados, con- matite atópica na dose inicial de 5mg/kg/ dia. A ciclosporina inibe da ativação de linfócitos T, produz supressão da produ- antes de iniciar este protocolo5,10.
ção de citocinas pró-inflamatórias como como: o tracolimus (tópico a 0,1%) indi- Como resumo apresenta-se o quadro
a IL-1, IL-2, IL-4, IL-13 e a IL-5, além cado para lesões localizadas; a pentoxifi- 2 de possibilidades terapêuticas no trata-
do TNF, produz redução da liberação de Quadro 2: Diferentes possibilidades no tratamento de cães atópicos, segundo o fármaco, vantagens e desvantagens5,10.
Vantagens
Desvantagens
Comentários
inúmeras aplicações. Ação lenta.
Alto custo e requercompromisso do proprietário.
Baixa eficácia na maioria dos casos.
Muitos e freqüentes efeitos colaterais.
diminui. Proprietários resistentes a terapiacom glicocorticóides.
atopic dermatitis (XIX): general principles of therapy. Ve-
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
terinary Immunology Immunopathology, vol.81, 311-316, nário é dar conforto ao paciente atópico, 1. BURTON, G.; BURRROWS, A.; WALKER, R.; ROBSON, e orientar o cliente que a palavra de or- D.; BASSET, R.; BRYDEN, S.; HILL, A. Efficacy of cyclos-
13. OLIVRY, T.; RIVIERRE, C.; JACKSON, H.A.; SOUSAS, dem é o controle do quadro e infelizmen- porin in the treatement of atopic dermatitis in dogs-com-
C. Cyclosporine decreases skin lesion and pruritus in dogs
with atopic dermatitis: a blinded randomized prednisolo-

te não há cura definitiva. Além do uso de bined results from two veterinary dermatology referral
centers.
Australian veterinary journal, vol.82, n°11, 2004.
ne-controlled trial. Veterinary dermatology, n 13, 77-87, 2002.
2. CHARMAN, C.; WILLIAMS, H. The use of corticosteroi-
14. OLIVRY, T.; STEFFAN, J.; FISCH, D.R.; PRÉLAUD, P.; ajudar o paciente (itens 4.1, 4.2, 4.3, 4.5 ds and corticosteroid phobia in atopic dermatitis. Clinics
GUAGUÉRE, E.; FONTAINE, J; CARLOTTI, N.D. Rando-
mized controlled trial of efficacy of cyclosporine in the tre-

e 4.7). Na opinião do autor a terapia do in dermatology, vol. 21, 193-200, 2003.
atment of atopic dermatitis in dogs. JAVMA, vol.221, n°3,
3. COLOMBO, S.; HILL, B.P.; DARREN, S.J; THODAY, L.K.
cão atópico deve ter três princípios bási- Effectiveness of low dose immunotherapy in the treatment
cos: a utilização do menor número de fár- of canine atopic dermatitis: a prospective, double-blinded,
15. OLIVRY, T.; MULLER, S.R. Evidence-based veterinary
clinical study.Veterinary dermatology, vol.16, 162-170, 2005.
dermatology: a systematic review of the pharmacotherapy
4. DAIGLE, C.J. More economical use of cyclosporine throu-
of canine atopic dermatitis. Veterinary Dermatology, vol.14,
ce de melhora clínica possível; oferecen- gh combination drug therapy. Journal of the animal hospital
16. RADOWICZ, S.N.; POWER, H.T. Long term use of
5. DETHIOUX, F. A dermatite atópica canina, um desafio
cyclosporine in the treatment of canine atopic dermatitis.
para o clínico. Focus – edição especial. Dezembro de 2006
Veterinary Dermatology, vol.16, 81-86, 2005.
Ronaldo Lucas
6. FONTAINE, J.; OLIVRY, T. Treatment of atopic dermati-
17. ROBSON, C.D.; BURTON, G.G. Cyclosporin: applicati-
MV, Prof. Doutor, Prof. Adjunto da tis with cyclosporine: a pilot clinical study. Veterinary re-
ons in small animal dermatology. Veterinary Dermatology,
Disiciplina de Clínica Médica da FMVZ/ 7. GUAGUÉRE, E.; PASCAL, P. A pratical guide to feline
18. ROSSER, E.J. Antipriritic drugs. Veterinary clinics of
north América: Small Animal pratice, vol.18, nº5, 1988.
dermatology. Merial, 2000, p.315.
8. LUCAS, R. Diagnóstico diferencial do prurido. In: SOU-
19. ROSSER, E.J. advances in the diagnosis and treatment
Karina Cantagallo
ZA, Heloisa Justen M de (org). Semiologia veterinária - a arte of atopy. Veterinary clinics of north América: Small Animal
do diagnóstico. 1ªed. São Paulo, vol. único, 2004, p.641-676.
Hospital Veterinário da Universidade 9. MARSELLA, R.; NICKLIN, F.C. Investigation on the use
20. SCOTT, D.W.; MILLER Jr., W.H.; GRIFFIN, C.G. Small
of 0,3% tacrolimus lotion for canine atopic dermatitis: a
animal dermatology. Philadelphia: Saunders, 1995, 1213p.
pilot study. Veterinary dermatology, vol.13, 203-210, 2002.
21. SCOTT, D.W.; MILLER Jr., W.H.; GRIFFIN, C.G. Small
10. NOVARTIS, Atopica and atopic dermatitis, 2003.
animal dermatology. Philadelphia: Saunders, 2001, 1528p.
Daniela Beviani
11. OLIVRY, T.; HILL, B.P. The ACVD task force on canine
22. STEFFAN, J.; NOLI, C.; FERRER, L.; FONDATI, A.; atopic dermatitis (IX): the controversy surrounding the
Médica Veterinária Responsável Técnica STREHLAU, G.; GRUET, P.; HORN, J.; Remission of the
route of allergen in canine atopic dermatitis. Veterinary Im-
clinical sings of atopic dermatitis in dogs after cessation
munology Immunopathology, vol.81, 219-225, 2001a.
of treatment with cyclosporine A or methylprednisolone.
12. OLIVRY, SOUSAS, S.C. The ACVD task force on canine

Source: http://virbac.engenhosolucoes.com.br/midia/4602c41962a98c32.pdf

011023 1.4

Je nach individueller Reaktion eines Patien-sionsneigung von Distickstoffmonoxid ver-Gabe zusätzlicher Analgetika nötig sein. größern. Daher ist LIVOPAN ® bei folgendenLIVOPAN ® sollte nur von Fachpersonal an-Wirkstoffe: Distickstoffmonoxid/SauerstoffLIVOPAN ® sollte auch nur unter Aufsicht– nach Tiefseetauchgängen, die mit demsonal angewendet werden, das mit der Aus-rüstung un

Microsoft word - anno 1926

Anno 1926 Fascicolo di Gennaio Umberto Emanuele, I cambi e la circolazione Remo Malinverni, La contabilità a ricalco italiana metodo CRI Ed. DeVonderweid, Sull'argomento della speculazione Leopoldo Viali, La rivalutazione della lira Renato Matteucci, Una conversione libera di prestiti comunali in obbligazioni Caterina Durando-Rocco, L'ufficio "posizione" nelle banche

Copyright © 2014 Articles Finder