Site brasileiro onde você pode comprar qualidade e entrega http://farmaciabrasilrx.com/ cialis barato em todo o mundo.

01_artigo_vol 8_n1_2006_pg 01 a 05.p65

Efeitos da Ingestão Aguda de Cafeína sobre o Desempenho Anaeróbico Intermitente Revista Treinamento Desportivo / 2007Volume 8 • Número 1 • Página 01 a 05 Efeitos da Ingestão Aguda de Cafeína sobre
o Desempenho Aanaeróbico Intermitente
ANIELE CRISTINA VITORINO , COSME FRANKLIM BUZZACHERA ,
ASSAN MOHAMED ELSANGEDY , RICARDO CORREA CUNHA , RAUL OSIECKI ,
ERGIO GREGORIO DA SILVA .
1 Centro de Pesquisa em Exercício e Esporte, Departamento de Educação Física, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná. 2 Centro de Estudos da Performance Física, Departamento de Educação Física, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná. ABSTRACT
Objetivo
To investigate the effects of the acute ingestion of caffeine on Investigar os efeitos da ingestão aguda de Cafeína sobre o short term, intermittent anaerobic performance in untrained desempenho anaeróbico de curta duração intermitente em Métodos
The sample was constituted by 09 male subjects, active Participaram desse estudo 09 indivíduos adultos do sexo mas- physically, with a median age of 23.0±2.1 years. The research culino, fisicamente ativos, com a idade média de 23,0±2,1 anos.
protocol was composed by two experimental sessions in a O protocolo de pesquisa foi composto por duas sessões expe- cross-over, double-blind fashion. In each session, the subjects rimentais, em um modelo cruzado e duplo-cego. Em cada ses- performed four 30-s Wingate bouts (WT 1, WT 2, WT3, and são, os sujeitos foram submetidos aleatoriamente à ingestão WT4) with 4 min of rest between each exercise bout, after oral oral de cafeína (Caf, 6 mg/kg massa corporal) ou placebo (Plc), ingestion of caffeine (Caf, 6 mg/kg body mass) or placebo e posteriormente à realização de quatro testes de esforço má- (Plc). Statistical analysis of peak power, mean power and fati- ximo (T1, T2, T3 e T4; teste de Wingate de 30 segundos) para a gue index data was conducted using repeated-measures determinação do desempenho anaeróbio, com um intervalo ANOVA for Caf or Plc. Tukey post hoc tests were used to adjust regular de 4 minutos entre si. Para a análise estatística das á levels to limit the possibility of a type I error. Experimental variáveis do estudo, uma ANOVA com medidas repetidas foi significance is described as p<0.05.
empregada, com posterior utilização do teste post-hoc Tukey,adotando um nível de significância de p<0,05.
Resultados
Peak Power (PP, watts; p < 0,01 Caf and p < 0,05 Plc) andAverage Power (AP, watts; p < 0,01 Caf and Plc) decreased Reduções significativas na Potência Pico (PP, Watts; p < 0,01 significantly with each successive Wingate Test under both para Caf e p < 0,05 para Plc) e Potência Média (PM, watts; p < experimental conditions. Furthermore, Caf ingestion did not 0,01 para Caf e Plc) foram verificadas entre T1 e T4 em ambas have any effect on PP, AP, and FI in the four Wingate tests.
as condições Caf e Plc. Além disso, resultados similares entreas duas condições experimentais foram observados em rela- Conclusion
ção às variáveis PP, PM e TPP nos quatros testes realizados.
The acute ingestion of Caf demonstrate no ergogenic effect on Conclusão
short term, intermittent anaerobic performance in non-athleticsubjects.
A ingestão oral aguda de Caf não apresentou nenhum efeitoergogênico sobre o desempenho anaeróbico intermitente de Keywords: Caffeine; Exercise; Anaerobic Test.
curta duração em sujeitos não-atletas.
Palavras-chave: cafeína, exercício físico, anaeróbico.
Daniele Cristina Vitorino; Cosme F. Buzzachera; Hassan M. Elsangedy; Ricardo C. Cunha; Raul Osiecki; Sergio Gregorio da Silva INTRODUÇÃO
os procedimentos utilizados, possíveis benefícios e ris- Os efeitos ergogênicos da Cafeína (Caf) durante cos atrelados à execução do protocolo de pesquisa, o exercício físico estão relacionados principal condicionando posteriormente a sua participação de mente a um aumento na liberação de cateco- modo voluntário através da assinatura do termo de con- laminas e mobilização de ácidos graxos não-este- sentimento livre e informado. O protocolo de pesquisa rificados, consequentemente resultando em uma dimi- foi delineado conforme as diretrizes propostas na Reso- nuída utilização do glicogênio intramuscular como fon- lução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde sobre pes- te de energia1. Esses mecanismos fisiológicos de ação da Caf poderiam retardar o início da fadiga muscular peri-férica2, contribuindo para um aumentado desempenho Delineamento Experimental
em eventos atléticos submáximos prolongados3. Além O presente estudo foi desenvolvido pelo Centro de disso, a Caf poderia exercer efeitos diretos sobre o Pesquisa em Exercício e Esporte (CEPEE), Universida- sistema nervoso central (SNC) e resultar em uma ate- de Federal do Paraná (UFPR). Um delineamento expe- nuação na sensação subjetiva de esforço, auxiliando rimental verdadeiro com grupos aleatórios, modelo cru- assim na manutenção do desempenho atlético4,5. Den- zado duplo-cego, foi empregado, adotando um proces- tro desse contexto, a Caf tornou-se nos últimos anos so de amostragem não-probalístico por conveniência.
um dos recursos nutricionais mais utilizados no meio Os participantes foram submetidos a três sessões experimentais, em três dias distintos, com um intervalo A ingestão aguda de Caf poderia similarmente exer- mínimo de uma semana entre si. Na primeira sessão cer efeitos ergogênicos no desempenho anaeróbico de experimental, foram conduzidas uma avaliação curta duração (< 90 segundos)6-9. Anselme et al.6 demons- antropométrica e uma familiarização com o equipamento traram uma maior potência anaeróbica média após e o protocolo de pesquisa. Durante a segunda e terceira ingestão oral de 250 mg de Caf (964 W versus 903 W sessão experimental, os procedimentos relativos ao tes- para grupos Caf e Placebo, respectivamente) em indiví- te de desempenho anaeróbico máximo foram propria- duos não-treinados. Por sua vez, Collomp et al.7 obser- mente aplicados14. Baseado em evidências sugerindo a varam um menor tempo de prova (100 metros livres) influência do horário do dia sobre o desempenho após ingestão de Caf entre nadadores previamente trei- anaeróbico15, todas as avaliações foram realizadas em nados7. Embora os mecanismos fisiológicos de ação en- um mesmo período (entre 09:00 e 12:00 horas). Em cada volvidos com o aumentado desempenho anaeróbico de sessão experimental, os participantes foram instruídos curta duração não estejam ainda completamente conhe- a evitar o consumo de alimentos e bebidas contendo Caf cidos, eles poderiam incluir uma elevada captação de durante as 48 horas anteriores ao teste. Além disso, os íons K+ extracelular10,11, aumentada liberação de íons Ca+2 sujeitos deveriam comparecer ao laboratório entre duas do retículo sarcoplasmático para o citossol12 e modifica- ções no ciclo de excitação-contração muscular13.
Contrariamente aos resultados observados em ou- Instrumentos e Procedimentos
tros estudos sobre a efetividade da ingestão de Caf so- Durante a segunda e terceira sessão experimental, bre o desempenho anaeróbio de curta duração, pouco os sujeitos inicialmente fizeram à ingestão de uma cáp- ainda é conhecido sobre a sua real influência em estí- sula contendo Caf (6mg/kg massa corporal) ou placebo mulos de alta intensidade de caráter intermitente, como (Plc, dextrose, 6mg/kg massa corporal). O uso dessa aqueles encontrados em diversos eventos esportivos.
dose de Caf relativa à massa corporal foi baseado em Desse modo, o objetivo do presente estudo foi investi- estudos prévios8,16 e poderia resultar em uma mais con- gar os efeitos da ingestão oral aguda de Caf sobre o de- sistente elevação na concentração plasmática de Caf em sempenho anaeróbico de curta duração intermitente em homens e mulheres do que a utilização de doses abso- lutas3. Na seqüência dos procedimentos experimentais,os participantes repousaram por uma hora em um am- METODOLOGIA
biente calmo e climatizado (~27º Celsius). Esse proto-colo foi selecionado devido ao fato de que a Caf ingerida Sujeitos
é rapidamente absorvida e as suas concentrações Participaram do presente estudo 09 indivíduos adul- plasmáticas atingem um nível máximo em aproxima- tos do sexo masculino, fisicamente ativos, porém não damente uma hora3. Posteriormente, um aquecimento previamente habituados com o exercício físico intenso leve em ciclo ergômetro durante 5 minutos (modelo aplicado. O recrutamento inicial dos possíveis partici- Ergo 167 cycle, marca Ergo Fit®, Pirmasens, Alema- pantes foi realizado através de anúncios pessoais e/ou nha) foi realizado e repetido em ambas as sessões ex- impressos. Todos os sujeitos foram informados sobre Efeitos da Ingestão Aguda de Cafeína sobre o Desempenho Anaeróbico Intermitente O teste de Wingate de 30 segundos foi utilizado RESULTADOS
para determinar o desempenho anaeróbico de curta A Tabela 1 apresenta as características descritivas duração14. Inicialmente, foi permitido aos participantes dos sujeitos participantes do presente estudo.
pedalarem por 3 segundos contra nenhuma resistênciacom o intuito de atingir uma máxima cadência de peda- Tabela 1 – Características descritivas dos participantes (n = 9).
lada. Subsequentemente, os sujeitos deveriam manter amáxima velocidade de pedalada contra uma resistência Variáveis
média ± desvio-padrão
pré-estabelecida (75 g/kg de massa corporal) durante todo o período de 30 segundos do teste. O teste deWingate de 30 segundos foi repetido por 4 vezes (T1, T2, T3 e T4), com um intervalo regular de 4 minutos entre si. A potência produzida foi calculada constante- mente em intervalos de um segundo por um softwareespecífico. A potência pico produzida (PP; Watts) foioperacionalmente definida como o mais alto valor ob- A Tabela 2 apresenta os dados relativos à PP duran- servado durante todo o período de teste. Por sua vez, a te a realização dos quatro testes de Wingate de 30 se- potência média produzida (PM, Watts) foi determinada gundos em Caf e Plc. Em ambas as condições, um de- como a média dos valores obtidos durante os 30 segun- créscimo significativo na PP foi verificado entre T1 e T4 dos de teste. Finalmente, a taxa de perda de potência (p<0,01 para Caf; p<0,05 para Plc). Além disso, a (TPP, %) foi calculada como (potência pico – potência ingestão oral aguda de Caf não apresentou nenhum efei- to ergogênico em relação à PP em nenhum dos quatrostestes realizados.
Procedimentos Estatísticos
Os dados relativos à PM durante a realização dos Medidas de tendência central e variabilidade foram quatro testes de Wingate de 30 segundos nas condições utilizadas para a caracterização dos participantes do Caf e Plc são apresentados na Tabela 3. A PM decresceu estudo. Para a determinação das diferenças entre as con- significativamente de T1 a T4 em ambas as condições dições CAF e PLC, utilizou-se um teste ANOVA com experimentais (p < 0,01 em Caf e Plc). Por outro lado, os medidas repetidas. Posteriormente, para a localização resultados obtidos nos quatro testes de Wingate de 30 das diferenças entre os grupos, um post hoc Tukey foi segundos foram similares entre Caf e Plc.
empregado. O nível de significância adotado foi p<0,05.
A Tabela 4 apresenta os dados relativos ao TPP Os procedimentos estatísticos do presente estudo foram (em %) durante a realização dos quatro testes de realizados mediante a utilização do Statistical Package Wingate de 30 segundos em Caf e Plc. A TPP decres- for the Social Sciences (SPSS, versão 13.0) for Windows.
ceu significativamente somente de T1 para T2 na con- Tabela 2 – Potência pico produzida (em Watts) obtido nos 4 testes de Wingate de 30 segundos nas condições Caf e Plc.
Cafeína
a Diferença significativa do Teste 1; b Diferença significativa do Teste 2; c Diferença significativa do Teste 3.
Tabela 3 – Potência média produzida (em Watts) obtido nos 4 testes de Wingate de 30 segundos nas condições Caf e Plc.
Cafeína
a Diferença significativa do Teste 1; b Diferença significativa do Teste 2; c Diferença significativa do Teste 3.
Tabela 4 – Taxa de Perda de Potência (em %) obtido nos 4 testes de Wingate de 30 segundos nas condições Caf e Plc.
Cafeína
a Diferença significativa do Teste 1; b Diferença significativa do Teste 2; c Diferença significativa do Teste 3.
Daniele Cristina Vitorino; Cosme F. Buzzachera; Hassan M. Elsangedy; Ricardo C. Cunha; Raul Osiecki; Sergio Gregorio da Silva dição Caf (p < 0,01). Além disso, nenhuma diferença en- tram um superior desempenho anaeróbico intermiten- tre as condições Caf e Plc foi verificada em relação à TPP.
te após ingestão oral aguda de Caf6,7,9.
Embora considerada efetiva ergogênicamente DISCUSSÃO
durante estímulos de alta intensidade e curta duração22, Embora extensivas evidências tenham demonstra- a dose de Caf (6mg/kg) administrada no presente estu- do efeitos benéficos da ingestão oral aguda de Caf sobre do poderia ser sub-ótima. Em estudos realizados in vitro o desempenho anaeróbico6-9, pouco ainda é conhecido utilizando elevados níveis de Caf, modificações na libe- sobre a sua real efetividade em repetidos estímulos de ração de Ca+2 pelo retículo sarcoplasmático, inibição da alta intensidade e curta duração (< 90 segundos)5,7,17.
fosfodiesterase e na transmissão neuromuscular3,12,23 fo- Dessa maneira, o presente estudo buscou investigar os ram observadas, potencializando assim o funcionamen- efeitos ergogênicos da ingestão oral aguda da Caf sobre to muscular. Desse modo, a administração de uma mais o desempenho anaeróbico intermitente de curta dura- elevada dose de Caf poderia ser necessária.
ção (quatro testes de Wingate de 30 segundos sucessi- No presente estudo, o nível de condicionamento fí- vos com 4 minutos de intervalo entre si). O principal sico dos sujeitos poderia ter contribuído para a similari- achado foi que a Caf não apresentou nenhuma influên- dade entre as condições Plc e Caf. Durante a realização cia sobre a PP, PM e TPP durante os quatro tiros de exer- de exercício físico de alta intensidade, o recrutamento cício, não suportando a hipótese de que a sua ingestão de fibras de contração rápida poderia ser significativa17, oral aguda poderia resultar em um aumento na potên- porém devido ao envolvimento de indivíduos não-atle- cia produzida, devido a modificações benéficas ocorri- tas, a ativação da totalidade das unidades motoras tor- das no metabolismo anaeróbico1,2,7 e sistema nervoso na-se pouco provável. Dessa forma, se a ingestão de Caf tivesse exercido efeitos ergogênicos sobre as fibras de Um decréscimo gradativo na PP (31,4%) foi ob- contração rápida, uma melhorada resposta inicial e su- servado na condição Caf através da realização de su- perior decréscimo nos tiros subseqüentes deveriam ser cessivos testes de Wingate, exceto entre T1 e T2. Por sua vez, na condição Plc, esse decréscimo foi pouco Concluindo, a ingestão oral aguda de Caf não apre- atenuado (30,5%), porém diferenças significativas fo- sentou nenhum efeito ergogênico sobre o desempenho ram observadas somente entre os três primeiros (T1, anaeróbico intermitente de curta duração em sujeitos T2 e T3) e o último teste (T4) (Tabela 2). De maneira não-atletas. A realização de futuros estudos investigan- similar, a PM decresceu significativamente entre T1 e do a influência da administração de doses de Caf mais T4 nas condições experimentais Caf (27,2%) e Plc elevadas sobre o desempenho de múltiplos estímulos (27,7%) (Tabela 3). Essa tendência de declínio na po- de alta intensidade é sugerida, tão bem como a partici- tência produzida foi verificada em outros estudos pação de indivíduos previamente treinados.
envolvendo sucessivos estímulos de alta intensidadee curta duração17-19, com uma redução média na PMvariando entre 33%17 e 40%18.
REFERÊNCIAS
A similaridade no desempenho anaeróbico de cur- 1. Essig D, Costill DL, Van Handel PJ. Effects of caffeine ta duração e alta intensidade de caráter intermitente ingestion on utilization muscle glycogen and lipid during entre as condições Caf e Plc apresentados no presente leg ergometer cycling. Int J Sports Med 1980; 1: 86-90.
estudo corroboram achados anteriores17,20,21. Em pes-quisa conduzida por Collomp et al.20, um decréscimo 2. Costill DL, Dalsky GP; Fink WJ. Effects of caffeine ingestion during prolonged running. Med Sci Sports Exerc 1978; 10: gradativo similar entre as condições Caf (5mg/kg) e Plc foi verificado após sucessivos testes de wingate de30 segundos. Entretanto, na condição Caf, a concen- 3. Graham TE. Caffeine and exercise: metabolism, endurance tração de catecolaminas circulantes (adrenalina e and performance. Sports Med 2001; 31: 785-807.
noradrenalina) elevou-se significativamente. Embora 4. Davis JM, Zhao Z, Stock HS, Mehl KA, Buggy J, Hand GA.
esse fato pudesse resultar em um aumento na Central nervous system effects of caffeine and adenosine glicogenólise, maior produção de lactato, e conseqüente on fatigue. American Journal of Physiology 2003; 284: 399- melhoria no desempenho metabólico anaeróbico, re- sultados positivos relativos à performance não foram 5. Doherty M, Smith PM. Effects of ingestion on rating of evidenciadas20. Em outro estudo realizado por Greer perceived exertion during and after exercise: a meta- et al.17, envolvendo nove sujeitos fisicamente ativos, analysis. Scandinavian J Med Sci Sports 2005; 15: 69-78.
nenhum efeito ergogênico da Caf (6mg/kg) foi obser- 6. Anselme F, Collomp K, Mercier B, Ahmaidi S, Prefaut C.
vado após a realização sucessiva de quatro testes de Caffeine increases maximal power and blood lactate wingate20. Apesar disso, alguns outros estudos demons- concentration. Eur J Appl Physiol 1992; 65: 188-191.
Efeitos da Ingestão Aguda de Cafeína sobre o Desempenho Anaeróbico Intermitente 7. Collomp K, Ahmaidi S, Chatard JC, Audran M, Prefaut C.
16. Pasman WJ, Van Baak MA, Jeukendrup AE, De Haan A.
Benefits of caffeine ingestion on sprint performance in The effect of different dosages of caffeine on endurance trained and untrained swimmers. Eur J Appl Physiol 1992; performance time. Int J Sports Med 1995: 16: 225-230.
17. Greer F, McLean C, Graham TE. Caffeine, performance, 8. Bell DG, Jacobs I, Ellerington K. Effect of caffeine and and metabolism during repeated Wingate exercise tests. J ephedrine ingestion on anaerobic exercise performance.
Med Sci Sports Exerc 2001; 33: 1399-1403.
18. McCartney N, Spriet LL, Heigenhauser GJF, Kowalchuk 9. Stuart GR, Hopkins WG, Cook C, Cairns SP. Multiple effects JM, Sutton R, Jones NL. Muscle power and metabolism in of caffeine on simulated high-intensity team-sport maximal intermittent exercise. J Appl Physiol 1986; 60: performance. Med Sci Sports Exerc 2005; 37: 1998-2005.
10. Juel C, Bangsbo J, Graham TE, Saltin B. Lactate and 19. Spriet LL, Lindinger MI, McKelvie RS, Heigenhauser GJF, potassium fluxes from human skeletal muscle during and Jones NL. Muscle glycogenolysis and H+ concentration after intense, dynamic, knee extensor exercise. Acta Physiol during maximal intermittent cycling. J Appl Physiol 1989; 11. Lindinger MI, Graham TE, Spriet LL. Caffeine attenuates 20. Collomp K, Ahmaidi S, Audran M, Chanal JL, Prefaut C.
the exercise-induced increase in plasma [K+] in humans. J Effects of caffeine ingestion on performance and metabolism anaerobic during Wingate test. Int J Sports Med 12. Tarnopolski MA. Caffeine and endurance performance.
21. Williams JH, Signorile JF, Barnes WS, Henrich TW.
13. Lopes JN, Aubier M, Jardim J, Aranda JA, Macklem PT.
Caffeine, maximal output and fatigue. Br J Sports Med 1988; Effect of caffeine on skeletal muscle function before and after fatigue. J Appl Physiol 1983; 54: 1303-1305.
22. Jackman M, Wedling P, Friars D, Graham TE. Metabolic, 14. Inbar O, Bar-Or O, Skinner J. The Wingate Anaerobic Test.
catecholamine, and endurance responses to caffeine during Champaign: Human Kinetics Books, 1996.
intense exercise. J Appl Physiol 1996; 81: 1658-1663.
15. Hill DW, Smith JC. Circadian rhythm in anaerobic power 23. Harland BF. Caffeine and nutrition. Nutrition 2000; and capacity. Can J Sport Sci 1991; 16: 30-32.
Endereço para correspondência:
Daniele Cristina Vitorino, Msd.
Departamento de Educação Física,
Universidade Federal do ParanáRua Coração de Maria, 92 (BR-116, km 92), CEP 80215-370 – Jardim Botânico – Curitiba – Paraná Telefone/Fax: (0xx41) 3360-4331e-mail: dani.vitorino@yahoo.com.br

Source: http://www.treinamentodesportivo.com.br/artigos/01_Artigo_VOL_8_N1_2007_Pg_01_a_05.pdf

civileimobiliario.web971.uni5.net

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS FORO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 3ª VARA CÍVEL Av. Salmão, 678, 3º Ofício Cível JARDIM AQUARIUS - CEP 12246-260, São José dos Campos-SP Fone: 12-3878-7132 - E-mail: sjcampos3cv@tjsp.jus.br DECISÃO - OFICIO Aos 19 de dezembro de 2013, recebi estes autos em Cartório. Eu, Maria Madalena Guerra Drummond, Esc

Cabinet prive

CLINIQUE DE LA DHUYS 1 Rue Pierre Curie 93170 BAGNOLET Standard : 01.49.97.50.50 TITRES DOCTEUR GILBERT ZERAH ANCIEN EXTERNE DES HOPITAUX DE PARIS : 1961-1968 ANCIEN ATTACHE DES HOPITAUX DE PARIS : 1968-1976 MEMBRE DE LA SOCIETE FRANCAISE DE CARDIOLOGIE : 1970 (North American Society of Pacing and Electrophysiology) CHEF DE SERVICE HOSPITALIER : 1981-2004 cardiologue DIRECTE

Copyright © 2010-2014 Articles Finder